17 Agosto 2018 Escrito por 

Encerradas as atividades do VIII Congresso Jurídico de Saúde Suplementar

No último dia de Congresso em Brasília foram discutidos temas importantes sobre Saúde Suplementar. Nesta manhã (17/8), os trabalhos iniciaram com o quarto Painel, que teve como tema “Medicamentos Importados e Medicamentos Off Label”,  apresentado pelo ministro João Otávio de Noronha, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e pelo médico e mestre em Administração e Concentração de Saúde, Gonzalo Vecina Neto. O trabalho teve como moderador o desembargador Ney Wiedemann Neto, do TJ/RS, e como presidente de Mesa, o desembargador Marco Villas Boas, presidente do Copedem.

Outro tema em debate foi “A Importância da Segunda Opinião Médica para Conter Tratamentos Desnecessários, Danosos aos Pacientes e Fraudulentos. Como a Segunda Opinião é Regulamentada. O Pedido Médico Não Deve ser Tomado como Verdade Absoluta”, apresentado pelos palestrantes ministro do Superior Tribunal de Justiça, Marco Aurélio Gastaldi Buzzi, e pelo médico ortopedista e traumatologista, Mário Ferretti. Esta apresentação teve como moderador o advogado Luiz Felipe Conde e como presidente de mesa, o desembargador Jones Figueirêdo, diretor da Escola Judicial de Pernambuco (ESMAPE). 

O Congresso foi encerrado com a palestra do ministro Marco Aurélio de Farias Mello, do Supremo Tribunal Federal, que falou sobre “Ativismo Judicial”. O desembargador do Mato Grosso do Sul, Ruy Celso Florence, presidiu esta mesa. 

O presidente do Copedem, desembargador Marco Villas Boas, afirmou: “foi um grande encontro, que com certeza contribuiu para este importante debate sobre a saúde suplementar no meio jurídico”. 

 



Redes Sociais